sábado, 19 de outubro de 2013

Disseminar conhecimento é um ato de cidadania

STJ 25 ANOS
Ao discursar na cerimônia de abertura das comemorações dos 25 anos do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o presidente Felix Fischer ressaltou que, espalhados pelos mais diversos espaços da Corte, estão a memória e a história jurídica de “um tribunal que deu sentido e corpo ao conceito de humanização”. Boa parte dessa história está armazenada na Biblioteca Ministro Oscar Saraiva.

Com 1.770 metros quadrados de área, ela abriga um acervo de mais de 170 mil livros, periódicos e obras raras. É a segunda maior coleção de textos jurídicos do país, superada apenas pela Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, que é a depositária do patrimônio bibliográfico e documental nacional e, obrigatoriamente, recebe exemplares de todas as publicações do Brasil. Como coleção específica de obras jurídicas, está em primeiro lugar.

A manutenção e constante modernização desse espaço também é uma prioridade da gestão do presidente Felix Fischer. Afinal, disseminar cultura, conhecimento e informação é um ato de cidadania historicamente praticado pelos integrantes do Tribunal da Cidadania. No STJ, já é tradição que, ao se aposentar, os ministros deixem pelo menos parte dos seus livros para o acervo do Tribunal.

A biblioteca do STJ é referência para o mundo jurídico e uma das mais modernas e versáteis do país, graças aos processos de informatização e digitalização do acervo. Sua Biblioteca Digital disponibiliza conteúdos doutrinários para atender às necessidades de informação de ministros, assessores, servidores, pesquisadores e público externo em geral. São mais de 52 mil documentos à disposição dos leitores que, mensalmente, registram mais de 150 mil acessos.

Além do acervo jurídico, a bilioteca mantém uma estante do Livro Livre, espaço onde os usuários deixam ou pegam livremente livros, CDs e DVDs sobre os mais variados assuntos. O Livro Livre é um projeto social que visa estimular a leitura por meio da circulação sem barreiras de livros.

Compartilhamento

A Biblioteca Ministro Oscar Saraiva integra o consórcio BDJur, iniciativa do STJ para integrar várias bibliotecas digitais do Poder Judiciário, oferecendo ao usuário uma consulta unificada a todo esse acervo. Atualmente, o STJ tem acordo de cooperação com 22 instituições, das quais seis já disponibilizam seus conteúdos de forma digital para consulta, totalizando mais de 244 mil documentos.

A BDJur também serve como memória histórica para o STJ, arquivando relatórios, vídeos de palestras, atos administrativos e outras informações que, de outro modo, ficariam dispersas ou até perdidas. A qualidade do trabalho da BDJur é reconhecida internacionalmente. O Conselho Superior de Investigação Científica da Espanha organizou um ranking de bibliotecas digitais e repositórios institucionais e, entre 1.200 órgãos de todo o mundo, a BDJur foi classificada na 17ª posição.

A informatização é uma importante ferramenta para melhorar o atendimento aos usuários. A implementação da tecnologia RFID, usada em transponders, permitirá que os usuários tomem de empréstimo e devolvam livros sem auxílio dos bibliotecários.

A ferramenta Pesquisa do Usuário possibilitará que a biblioteca crie perfis de usuários com idade, gênero, área de interesse e outros dados. Essas informações serão utilizadas pelo setor de compras e também na melhoria do atendimento.

Outra novidade será a aplicação do DSI (Disseminação Seletiva de Informação). O usuário será cadastrado em suas áreas de interesse e receberá por e-mail listas de novos documentos incorporados sobre tais temas.

Raridades

Um dos maiores destaques da Oscar Saraiva é sua coleção de obras raras, uma das mais importantes da América Latina no segmento jurídico. O volume mais antigo é Decisionum Senatus Regni, de Belchior Febo, publicado em 1623.

Outro livro muito antigo é Commentaires Sur Les Loix Angloises, publicado em Bruxelas, primeira tradução para idioma estrangeiro de uma das mais importantes obras sobre o direito inglês, escrita em 1756 pelo juiz e catedrático William Blackstone.

Também há edições históricas de autores nacionais, como a última edição em vida de Princípios Elementares de Direito Internacional Privado, de Clóvis Beviláqua, autor do projeto do Código Civil de 1916. No total, são 2.580 volumes raros mantidos em uma sala climatizada e com segurança especial.

Pelo menu à esquerda da homepage do STJ, o internauta tem acesso a serviços e muitas outras informações sobre a Biblioteca Ministro Oscar Saraiva.

Foto:

A Biblioteca Oscar Saraiva reúne a maior coleção de livros do Brasil dedicada especificamente a temas jurídicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A sua visita é importante, seu comentário muito mais.
A sua mensagem não passa por autorização do moderador, portanto comente com responsabilidade a não violar as regras do blog.
Att. o Administrador.